Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dorminhoco

Só assuntos sérios. Só quando estou acordado.

Dorminhoco

Só assuntos sérios. Só quando estou acordado.

Março 29, 2018

A expulsão de diplomatas russos é precipitada

 

Tal como a maioria dos europeus, estou convencido de que a Rússia é responsável pelo envenenamento de Sergei e Yulia Skripal. Acho que tem tudo para ser verdade – o motivo faz sentido, o método coincide e o comportamento encaixa num padrão de assassinatos já conhecido. O problema é que, para reagir de forma assertiva e justa, as convicções não chegam. É preciso saber o que se passou.

 

Mesmo que o Novichok tenha vindo da Rússia (como é provável), continua a não ser certo o papel do estado russo no ataque. Se o Kremlin teve algum envolvimento, então estamos perante uma participação em crimes gravíssimos. No entanto, se o Kremlin não teve nada que ver com a ordem para matar (a hipótese de grupos alheios ao estado se terem apropriado do Novichok é perfeitamente válida), então trata-se de negligência da sua parte – pois o armazenamento, a segurança e o desmantelamento de agentes químicos não são assuntos para brincadeira. Ambas as hipóteses – quer a participação no crime, quer a negligência – nos levam a atribuir culpas ao estado russo. Mas estas são distintas e cada uma pede uma resposta adequada. Caso o Kremlin não esteja envolvido e o ataque tenha tido origem, por exemplo, nos oligarcas e nas redes de crime organizado, a expulsão de diplomatas é uma medida desproporcional e ineficaz. Nesse caso, seria bem mais apropriada a aprovação de um novo pacote de sanções. 

 

Claro que se percebe a decisão de vários países ocidentais de expulsar diplomatas, até porque há um timing político e mediático para acções deste nível. Mas esta é necessariamente uma decisão precipitada, pois corre o risco de não ser apropriada ao tipo de responsabilidade do Kremlin pelo envenenamento. Para um juízo pautado pelo bom-senso, as conclusões finais das investigações em Salisbury e na Rússia seriam necessárias. Assim sendo, a decisão portuguesa de chamar o seu embaixador para consultas é tecnicamente mais adequada do que a dos seus parceiros. Mesmo que seja problemática a vários outros níveis.